???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://localhost:8080/tede/handle/tede/26
Tipo do documento: Dissertação
Título: Memória e identidade como forma de libertação em The handmaid's tale, de Margaret Atwood
Título(s) alternativo(s): Memory and identity as release form in The handmaid's tale, de Margaret Atwood
Autor: Azevedo, Sílvia Régia Martins de
Primeiro orientador: Barbosa, Maria do Socorro Baptista
Resumo: Esse trabalho tem como objetivo analisar o texto ficcional, em primeira pessoa, de Margaret Atwood, chamado, em Inglês, ―The Handmaid‘s Tale‖ e, em Português, ―A História da Aia‖, que retrata a experiência de uma mulher (narradora) vivendo em uma sociedade com um contexto distópico e que a explora fisicamente, sexualmente, psicologicamente sua vida, transformando-a em um pesadelo, a qual ela consegue se ―libertar‖ por algumas vezes através de fé, memórias, esperança, muita disciplina e autocontrole. A obra foi publicada primeiramente em 1985, no Canada, mesmo país de origem da escritora. Ganhou o Governor General‘s Award do mesmo ano e o Prêmio Arthur C. Clarke, de 1987. Discorre sobre muitos temas relevantes para a conjuntura atual e futura no tocante à relação de gêneros, identidade e memória. Para tal análise, utilizou-se estudos teóricos relacionados à memória, à identidade e ao feminismo, que ajudaram a entender como e por que as mulheres escrevem sobre a relação entre os gêneros e por que essa relação ainda apresenta, na pós-modernidade, resquícios do patriarcalismo. Os teóricos do Feminismo foram Beauvoir (2009), Rocha (2009), Bourdieu (2010), Alves e Pitanguy (1985), Woolf (2014), Zolin (2003), Nye (1995), Showalter (1994), Branco (1991), Perrot (2012), Butler (2003), Mill (2006), dentre outros; em relação à Memória e Identidade, foram utilizados os estudos de Le Goff (2003), Nestrovski e Seligmann-Silva (2000), Levi (1988), Pollak (1992), Hall (2014), Heinich (1998), dentre outros. O estudo através desses autores aplicados à obra de Atwood, leva-nos a possíveis conclusões sobre como a literatura é uma fonte de expressão rica e acessível para todos e como a mesma inspira vidas reais e ficcionais, influenciando até o pensamento sobre a vida no futuro.
Abstract: This work has the objective of analyzing the first-person fictional work by Margaret Atwood ―The Handmaid‘s Tale‖ which portrays the experience of a woman (the narrator) living in a dystopian society that exploits her physically, sexually, psychologically and transforms her life into a nightmare, where she is able to free herself through faith, memories, hope, much discipline and self-control. The work was first published in 1985 in her home country of Canada and won the Governor General‘s Award in the same year, and winning the Arthur C. Clarke Award in 1987. The discourse covers many relevant themes for the current and future conjuncture regarding gender, identity and Memory. For such an analysis, we utilized theoretical studies related to memory, identity and feminism, which will help with the understanding how and why women write on relationship between the genders and why this relationship still present remnants of patriarchy in post-modernism. The theories of feminism will be from Simone de Beauvoir (2009), Patrícia Rocha (2009), Pierre Bourdieu (2010), Branca Alves and Jacqueline Pitanguy (1985), Virginia Woolf (2014), Lúcia Osana Zolin (2003), Andrea Nye (1995), Elaine Showalter (1994), Lúcia Castello Branco (1991), Michele Perrot (2012), Judith Butler (2003), Stuart Mill (2006) among others. In regards to Memory and Identity, we will utilize the studies of Le Goff (2003), Arthur Nestroyski and Márcio Seligmann (2000), Primo Levi (1988), Michael Pollak (1992), Stuart Hall (2014) Nathalie Heinrich (1998) among others. The study by these authors applied to the work of Atwood, leads us to possible conclusions about how literature is a rich and accessible source of expression for everyone and how it inspires real and fictional lives, influencing even the thought about life in the future.
Palavras-chave: Margaret Atwood
Feminismo
Identidade
Memória
Área(s) do CNPq: LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS
LETRAS::LITERATURA BRASILEIRA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Estadual do Piauí
Sigla da instituição: UESPI
Programa: Programa de Mestrado Acadêmico em Letras
Citação: Azevedo, Sílvia Régia Martins de. Memória e identidade como forma de libertação em The handmaid's tale, de Margaret Atwood. 2015. 100 f. Dissertação (Programa de Mestrado Acadêmico em Letras) - Universidade Estadual do Piauí, Teresina.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://localhost:8080/tede/handle/tede/26
Data de defesa: 31-Aug-2015
Appears in Collections:Mestrado Acadêmico em Letras

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação CompletaTexto completo1,06 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.