???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://localhost:8080/tede/handle/tede/33
Tipo do documento: Dissertação
Título: Um mundo ancorado em bases instáveis: memória e identidade em Antes de nascer o mundo, de Mia Couto
Título(s) alternativo(s): A world anchored in unstable bases : memory and identity in Before the birth of the world, Mia Couto
Autor: Maceno, Regilane Barbosa
Primeiro orientador: Souza, Elio Ferreira de
Resumo: A literatura nos países de África e, logo, de Moçambique, define-se como um instrumento relevante de transformação social, compromissada com algo que, sem desconsiderar a dimensão estética dos textos, busca ultrapassá-la, ir além, como sugere o Pós do pós-colonialismo. A partir da releitura e reescrita de narrativas nacionais, como subversão ao cânone, a literatura pós-colonial tem sido desenvolvida como um esforço cultural pela descolonização e restauração de comunidades e identidades que, por muito tempo, foram silenciadas. Destarte, a escrita projeta-se como principal veículo de denúncia de uma situação injusta e injustificável para as suas vítimas. Assim, a literatura é apresentada como uma janela aberta para representação do sujeito descentrado, diaspórico e fragmentado que emerge do pós-colonialismo. Mia Couto transporta para o universo ficcional de suas obras a discussão acerca dessa identidade, vista na perspectiva pós-colonial como metáfora de seu próprio país. Outra questão trabalhada é a memória, que tem sido bastante estudada na contemporaneidade, cujo conceito foi alargado e está a serviço dos mais variados campos dos saberes, como a antropologia, a sociologia, a filosofia, a história, entre outros. Desse modo, a presente pesquisa tem por objetivo realizar uma leitura do romance Antes de nascer o mundo, do autor moçambicano Mia Couto, procurando demonstrar como a memória e a identidade estão imbricadas no terceiro-espaço pós-colonial representado na obra. Para além disso, enfatizamos ainda os seguintes elementos que não poderiam ser negligenciados: o percurso histórico-literário moçambicano, a referencialidade histórica na construção do romance, a condição das mulheres mostrada na obra, a tradição oral africana e a relação entre a oralidade e a escrita em Moçambique. A análise da obra permitiu constatar que, em seu universo ficcional, a identidade e a memória se apresentam fragmentadas e estão em um ininterrupto movimento pendular. Nesse interim, são negociadas e as diferenças confrontadas e expostas. Como aportes teóricos para nosso trabalho, utilizamos Homi K. Bhabha, Stuart Hall, Jacques Le Goff, Iván Izquierdo, Maurice Halbwachs, Jöel Candau, Kwame Antony Appiah e Rita Chaves, dentre outros igualmente relevantes para esse estudo.
Abstract: The literature in African countries, so in Mozambique, is defined as an important instrument for social change, committed to something, without disregarding the aesthetic dimension of the texts, looking beyond it, to go beyond it, as suggested by the term post of Post-colonialism. From the reinterpretation and rewriting of national narratives, as subversion to the canon, post-colonial literature has been developed as a cultural effort by the decolonization and restoration of communities and identities that have long been silenced. Thus, the writing is projected as main reporting vehicle of an unjust and unjustifiable situation to their victims. So, the literature is presented as an open window to representation of the decentered, diasporic and fragmented subject that emerges from post-colonialism. Mia Couto carries to the fictional universe of his works the discussion about this identity which is seen in post-colonial perspective as a metaphor of your own country. Another issue worked is the memory which has been extensively studied in contemporaneity and whose concept has been extended to the most varied fields of knowledge, such as anthropology, sociology, philosophy, history, among others. Therefore, this research aims to perform a reading of the novel Antes de nascer o mundo, by the Mozambican author Mia Couto, trying to demonstrate how memory and identity are embedded in the post-colonial third-space represented in this novel. Furthermore, we emphasize the following elements that could not be overlooked: the Mozambican historical and literary route, the historical referentiality in the construction of the novel, the condition of women shown in the work, the African oral tradition and the relationship between orality and writing in Mozambique. The analysis of the work enabled to note that, in its fictional universe, identity and memory are presented fragmented and in an uninterrupted pendular movement. In the meantime, they are negotiated and the differences are confronted and exposed. As theoretical contributions to our work, we use Homi K. Bhabha, Stuart Hall, Jacques Le Goff, Iván Izquierdo, Maurice Halbwachs, Jöel Candau, Kwame Anthony Appiah and Rita Chaves, among others who are equally relevant for this study.
Palavras-chave: Memória
Identidade
Antes de Nascer o Mundo
Mia Couto
Área(s) do CNPq: LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS
LETRAS::LITERATURA BRASILEIRA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Estadual do Piauí
Sigla da instituição: UESPI
Programa: Programa de Mestrado Acadêmico em Letras
Citação: Maceno, Regilane Barbosa. Um mundo ancorado em bases instáveis: memória e identidade em Antes de nascer o mundo, de Mia Couto. 2015. 103 f. Dissertação (Programa de Mestrado Acadêmico em Letras) - Universidade Estadual do Piauí, Teresina, 2015.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://localhost:8080/tede/handle/tede/33
Data de defesa: 27-Aug-2015
Appears in Collections:Mestrado Acadêmico em Letras

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação CompletaTexto completo844,94 kBAdobe PDFDownload/Open Preview


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons